De olho nos olhos: fique atento e perceba se seu bebê tem problemas de visão

A miopia, o astigmatismo e a hipermetropia são os problemas de vista mais comuns em crianças e bebês. Segundo a Academia Americana de Oftalmologia, os problemas de vista como a miopia, a hipermetropia, o estrabismo, ou outros, afetam mais de 20% das crianças em idade escolar. Isso representa que um em cada quatro escolares sofre algum problema visual, pelo que é muito importante que as crianças sejam examinadas para identificar possíveis problemas visuais que possam prejudicar seu desempenho acadêmico.

Tudo isso pode ser consequência do grande esforço intelectual, que se veem submetidos os pequenos desde as idades menores. A televisão, o computador, etc., são aparelhos que exigem muito do sistema visual da criança, chegando a impedir, em alguns casos, seu adequado desenvolvimento.

Se o seu filho apresenta dor de cabeça ao sair da escola, tem olhos irritados ao fazer suas tarefas escolares ou franzir a testa no momento de ler, provavelmente se deva a uma dificuldade na visão. O cuidado dos olhos nas crianças também inclui protegê-los dos efeitos dos raios UV emitidos pelo sol.

 Crianças e bebês miopes

As crianças que sofrem miopia, se caracterizam por não verem corretamente os objetos ou pessoas que se encontram longe. As crianças podem apertar os olhos para enfocar melhor. Aquelas que não usam óculos, normalmente, são mais tímidas e distraídas, e preferem atividades como a leitura, pintura ou trabalhos manuais. Os sintomas podem ser confundidos com transtornos da escrita, como é o caso da dislexia, já que muitas crianças, por não conseguirem ver bem, podem trocar, ao copiar de uma lousa, letras como o p com o q, ou a letra d com a b.

Hipermetropia em crianças e bebês

A hipermetropia é justamente o contrário da miopia. Os afetados pela hipermetropia tem uma percepção borrada de objetos próximos. É normal das crianças, ao forçar a vista, apresentarem dor de olhos ou cabeça, lacrimejar, e piscarem frequentemente. Geralmente, preferem brincar ao ar livre.

O astigmatismo em crianças e bebês

Uma pessoa com astigmatismo percebe uma visão deformada das coisas, tanto de longe como de perto. Pode estar associado à miopia ou à hipermetropia, apresentando sintomas de ambas patologias.

Ambliopia ou olho vago em crianças e bebês

Ambliopia ou olho vago, consiste na perda parcial da visão em um ou nos dois olhos de uma criança que não pode ser corrigida com lentes. Pode corrigir-se quando se detecta e se trata antes dos 7 anos. Se não se trata antes dessa idade pode implicar numa grande perda de visão do olho afetado, dado que este não se desenvolve adequadamente e, pouco a pouco, vai deixando de trabalhar, de estimular-se, com o que acaba perdendo a capacidade de visão.

Estrabismo em crianças e bebês

O estrabismo é uma perda de paralelismo dos olhos, onde cada um deles aponta em direção diferente. Esse defeito ocular supõe um problema grave do sistema visual que deve ser avaliado imediatamente por um especialista.

 

Fonte:

http://br.guiainfantil.com/visao-infantil/280-os-problemas-de-visao-na-infancia.html

 

Adaptado pela Profª Bárbara Kristensen

Esteja atenta aos problemas de visão do seus filho!

A visão da criança se forma até os 7 anos de idade. Algumas doenças, caso não sejam tratadas adequadamente, antes deste período, não haverá óculos, lente de contato ou cirurgia com as mais modernas técnicas que consigam devolver a visão. Seria ideal que todas as crianças fizessem exame oftalmológico nos primeiros meses de vida (principalmente os prematuros).

Outro exame deveria ser feito aos três anos para detecção de estrabismo, problema que pode ser corrigido com óculos. Quando deparamos com uma criança estrábica depois dos seis meses de vida, devemos encaminhá-la o mais rápido possível ao oftalmologista para que ele realize os exames necessários, pois, se esse procedimento não é realizado, a criança poderá desenvolver o conhecido “olho preguiçoso”.

Há alguns sinais e sintomas apresentados pelas crianças que poderiam alertar os pais para um possível problema de visão. Os mais comuns são: olhos vermelhos e constantemente irritados, coceira, visão ruim (tipicamente reconhecida pelo fato da criança ver TV de muito perto), estrabismo, mau rendimento escolar e em atividades em geral, bem como desatenção e desinteresse, agitação ou sonolência, dor de cabeça e resistência à luz. Assim, qualquer criança que apresentar alguns desses sintomas, deverá ser examinada pelo especialista, e o tratamento, se necessário, ser realizado imediatamente para encontrar a solução para o problema oftalmológico.

Alguém sabiamente já disse que a visão é o mais nobre sentido do ser humano, com o qual recebemos mais da metade das informações do mundo exterior. Portanto, nada mais lógico que dela cuidemos.

Os problemas de visão entre as crianças são comuns e podem ser identificados pelas mães, pelas professoras e pelos pediatras, nas consultas de rotina. As causas mais comuns de problemas oftalmológicos são as conjuntivites, a miopia (a criança não consegue ver os objetos distantes), a hipermetropia (o contrário da miopia, a criança não enxerga de perto), o astigmatismo (defeito na curvatura da córnea, exigindo maior esforço da musculatura ocular que, embora possa ser um achado isolado, está frequentemente associado à miopia ou à hipermetropia), o estrabismo (desvio do globo ocular para dentro ou para fora, também chamado de vesguice), etc.; os escolares rotulados de preguiçosos, muitas vezes, podem ser portadores de algum problema oftalmológico. Corrigido o defeito, voltam a apresentar um bom rendimento escolar.

Existe um consenso de que todas as crianças devam se submeter a um exame oftalmológico de rotina antes de entrar para a escola. Como determinados problemas oftalmológicos podem estar presentes desde o nascimento, muitos oftalmologistas recomendam que esse exame seja realizado a partir do primeiro ano de vida.

Fonte:

http://www.alobebe.com.br/revista/problemas-de-visao-na-infancia.html,321

Adaptado pela Profª Bárbara Kristensen